Página Inicial / Sociedade / Escolas cristãs tem ensinado a alunos que Deus é “neutro” em relação a gênero

Escolas cristãs tem ensinado a alunos que Deus é “neutro” em relação a gênero

O pensamento politicamente correto tem avançado sobre o meio cristão por conta da influência do progressismo na sociedade ocidental. Alunas cristãs na Austrália têm sido ensinadas que não podem se referir a Deus como “Senhor”, “Pai” e “Filho”, pois Ele seria neutro.

A distorção que ensina que Deus é neutro em relação ao gênero ignora a oração ensinada por Jesus, que diz “Pai nosso que está no céu”. O caso veio à tona recentemente quando pais de alunos de uma escola católica na Austrália (que cobram até US$ 40 mil de anuidade) se queixaram.

De acordo com informações do portal The Christian Post, as escolas católicas de primeira linha em Brisbane estão ensinando seus alunos a usar “linguagem inclusiva de gênero” quando se referem a Deus.

Os alunos da Stuartholme School são ensinados a usar linguagem neutra em termos de gênero – incluindo o termo “Deus mesmo” em vez de “Ele mesmo”. “Como acreditamos que Deus não é nem homem nem mulher, [a escola] Stuartholme tenta usar termos neutros de gênero em orações […] para que nossa comunidade aprofunde sua compreensão de quem Deus é para eles, como Deus se revela através da criação, nossos relacionamentos com os outros e a pessoa de Jesus”, disse uma porta-voz da instituição.

Da mesma forma, Loreto College em Coorparoo removeu a palavra “Senhor” de suas orações, como é considerado como um “termo masculino”.

“Loreto, como uma das principais escolas para meninas, tem o compromisso de usar a linguagem inclusiva. Há ocasiões em que a linguagem de gênero pode ser apropriada, incluindo referências a figuras religiosas e bíblicas específicas”, disse a diretora Kim Wickham.

No site da escola a missão da instituição é definida como “transformar a Igreja e o mundo especialmente capacitando as mulheres a buscar a verdade e fazer justiça”.

Outra escola, St. Rita, também usa termos neutros de gênero para se referir a Deus: “Nós nos esforçamos para usar termos neutros de gênero para Deus, por exemplo, ‘Deus e o povo de Deus’ em vez de ‘Deus e Seu povo’. ‘Espírito’ também é neutro em termos de gênero”, afirmou o vice-diretor Richard Rogusz.

A principal escola de meninos católicos de Brisbane, o St. Joseph’s College, substituiu o termo “irmãos” por “irmãs e irmãos” e mudou o termo “irmandade” para “comunidade internacional”. “Esta tem sido uma área de crescimento para nós nos últimos tempos”, disse um porta-voz ao Sunday Times. “Nós fizemos mudanças em várias orações para ser mais inclusivas de gênero”, acrescentou.

Andrea Dean, diretora do Escritório Católico para a Participação da Mulher, disse ao Sunday Mail que estava “empolgada” com o fato de as escolas usarem a oração de gênero neutro: “É ótimo que eles sejam sensíveis às implicações de como Deus é chamado”, disse ela.

“Deus não é de nenhum gênero. Nos tempos em que a escritura foi escrita [Senhor e Pai] eram termos de honra – a maioria dos termos de honra estava relacionada aos homens”, acrescentou a diretora.

No entanto, o ativista conservador cristão australiano Lyle Shelton criticou a medida, dizendo ao Sunday Mail: “Esta é mais uma evidência da agenda daqueles que buscaram o casamento ‘desgênero’ – agora eles querem desacreditar a religião”.

“Na teologia cristã, Deus se expressa como pai no gênero masculino. As Escrituras explicam claramente Deus a nós como pai”, disse ele.

Ao longo dos últimos anos, várias denominações pressionaram por uma linguagem mais “inclusiva de gênero” para Deus. Em 2017, a Igreja da Suécia incentivou o clero a usar termos neutros em termos de gênero para Deus, em vez de “Ele” ou “o Senhor”, na tentativa de “modernizar” a liturgia da denominação.

Em 2018, o arcebispo de Canterbury, Justin Welby, disse: “Toda linguagem humana sobre Deus é inadequada e até certo ponto metafórica”, de acordo com o Mail Online. “Deus não é um pai exatamente da mesma maneira que um ser humano é um pai. Deus não é homem ou mulher. Deus não é definível. É extraordinariamente importante como cristãos que nos lembramos que a revelação definitiva de quem Deus é não foi em palavras, mas na palavra de Deus a quem chamamos de Jesus Cristo. Não podemos prender Deus”, acrescentou o líder espiritual da Igreja da Inglaterra.

Algumas denominações protestantes, incluindo a Igreja Episcopal, a Igreja Metodista Unida e a Igreja Evangélica Luterana na América, também debateram o uso da linguagem de gênero neutro para se referirem a Deus.

Em 2017, duas das principais escolas de divindade dos Estados Unidos – Vanderbilt e Duke – pediram aos professores que usassem linguagem “mais inclusiva” quando falavam sobre Deus, porque os pronomes masculinos “serviram como uma pedra angular do patriarcado”, informou a National Review.

No entanto, o evangelista reformado John Piper, entre vários outros proeminentes teólogos cristãos, argumentou que a Bíblia deixa muito pouco espaço para o debate sobre o tema: “Deus revelou-se na Bíblia universalmente como rei, não rainha; pai, não mãe”, disse Piper em 2012 na conferência anual de pastores organizada por seu ministério Desiring God.

“A segunda pessoa da Trindade é revelada como o eterno Filho, não a filha; o Pai e o Filho criam o homem e a mulher à Sua imagem e dão-lhes o nome de homem, o nome do homem”, concluiu.

Sobre Adeildo Reis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *